sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

a desordem

(Salvador Dalí)



ah, a organização
dos incómodos
que decorrem do interior
transformar a guerra, a agressão
mudar o rosto ao rosto
que se dilacera, frágil
fazer a gostosa simpatia calma

o vento que varra 
a areia suja
da ignorância e da dor




quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

o prefixo [a]

(Vincent Van-Gogh)



eu, peregrina criatura
confesso o meu despudorado rumo
pelo trilho dos pássaros sem pouso

cultivo da língua
a mais ampla e primeira e pura
prefixial figura

indeléveis me voaram as asas
e deixaram gaiolas e templos
prisões que nos entalam a alma

no bico levo o pólen
a essência das religiões
da política dos mundos
longe das formas e das agremiações
insustentáveis tecidos de trama




terça-feira, 26 de janeiro de 2010

a criança

(Joan Miró)



bravia
como um touro desembolado
a criança não conhece
o delicado fio da paciência
que a vontade emudece

com força fera
o desejo agarra pela manga
e só descansa
quando o senta perto
e o amansa





segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

a morte, à maneira de Ricardo Reis

(Giorgia O'Keefe)



passarei a morte, com humildade
quando ela chegar, com o tempo

como sofremos todas as dores
quando a vida as traz
e todas as alegrias e as festas
que passam breve

passarei a morte, com emoção paciente
como passo todas as coisas da vida
que, depois dela, como de todas as coisas
a outra margem verde surgirá




domingo, 24 de janeiro de 2010

a cerveja

(Édouard Manet)



a cobra loura devora
a entranha térrea

da língua escorre
o tímido prazer
da cerveja em copo
fria e a ferver

arrepia a cobra loura
queima e arrepia
com enganos frescos
a raiva insanada
dos caminhos secos




sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

em cada momento

(Akseli Gallen-Kallela)



em cada momento
tem que haver uma luz
no deserto do mar
alguma jangada
nos há-de levar
um livro um caminho
um filho um carinho

em cada momento
tem que haver um sentido
os olhos lentos
têm que buscar
uma ilha um oásis
um exíguo lugar

em cada momento
até onde a vida chegar
como em lar de pobreza
sem prata nem ouro
façamos as contas
alguma riqueza
temos que encontrar




segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

encontros





a água ecoa
em círculos cavos
dentro do mundo

marulha
húmida
inunda as paredes

escorre
chove dentro da casa
dentro do mundo

a água canta
caminhos certos
não ouves sons encantados
que te arrastam leve?
ah, a tua distracção desatenta
o teu espanto,amor,
de que me encontres tanto


sábado, 16 de janeiro de 2010

o menino

(Agustí Querol Subirats)




o menino
é como o girassol
diz o pai

ergues-te
e ele atento se move
e te segue o olhar

e a mãe olha o pai
que fica
parado na cama
a olhar




sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

morrer em Port-au-Prince

(publico.pt)




nem porto nem príncipe
nem lei nem rei
escombros e corpos
são cem mil cinquenta mil
mortos empoeirados
manchados
de cinzas e sangue

não há água não há pão
não há bulldozers nem gruas
só há gritos e gemidos
só há dores e suores
há mãos que escorrem revolta
e que socorrem irmãos

epicentro no Haiti
o terramoto devastou o planeta
e das frestas do mundo fustigado
desabam dádivas e condolências
promessas e convicções
ondas gigantes
de exércitos azuis




terça-feira, 12 de janeiro de 2010

país de branco

(publico.pt)





veste de branco o corpo do meu país
flocos de neve
toldam os ares
pousam como pássaros
de algodão
nos cabelos negros das mulheres

está frio o meu país
morrem os velhos
ardem nas lareiras

nas ruas de gelo
corpos de mendigos
escondem-se em trapos
como espigas de milho

é branco de neve
o manto do meu país
e o coração da terra
exangue congela







segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

frente ao géiser



tenho o corpo na Islândia
frente ao géiser
o grande
e multiplicam-se-me olhos e ouvidos
nos milímetros ínfimos
da carne

oh géiser
este silêncio
acolhe mais que um útero
no instante mágico
da fecundação

sabes por que é a vida
assim despercebida
sempre a traços lassos
no papel vegetal
é porque o silêncio
é sempre esquecido
ou amachucada
folha de jornal 
                                                     



Nota: Este poema foi escrito em 1987, mas só em Agosto de 2000 fui à Islândia. As fotografias são minhas.

domingo, 10 de janeiro de 2010

cortar o silêncio

(publico.pt)




corte-se o silêncio
a fio de navalha
a lâmina aguda
abrindo a carne
como o mar vermelho
da predestinação

jorre o silêncio
o sangue do corpo
sem piedade
enterre-se a lança
escorra-se o suco
a vida insensata
oculta no vão




sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

rasgar a inquietação



(Gustave Klimt)



rasgar a inquietação
só a brisa húmida
que paira sobre o ventre
a nudez das entranhas
escorrendo dos lábios

rasgar a inquietação
só o frio da água límpida
da fonte

são as pedras do fundo do charco
que aguardam a luz
penetrante do sol




quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

as mãos

(Auguste Rodin)




deslizam suaves os cisnes no lago
silenciosamente
chilreios de aves
pousam nas águas
dobradas leve
pelo bafo do vento

assim tu me tomas as mãos
como um livro raro
e as folhas abrindo
tocam por magia
o momento lento
esculpido nas mãos




terça-feira, 5 de janeiro de 2010

o silêncio

(tvi24-Sol na tailândia)



responde deus
com o silêncio infinito
e assim sem princípio nem fim
se fia eterna a conversa divina

aos homens deus deu
um gomo só
da laranja doce
do silêncio




sábado, 2 de janeiro de 2010

CREDO - oração de ano novo

 acredito

que caminhar
na capacidade de ver
sem limites
em cada momento
e de agir
sobre o que se vê
fará a diferença
entre cada um de nós

acredito

que no mundo
tudo tem significado
e viver
é estar atento
interpretar
                                                                 sentir o encanto
                                                                 procurar entrar
                                                                 em cada gesto
                                                                 na grande roda
                                                                 do significado total
                                                          
                                                                 acredito

                                                                que o futuro se perde
                                                                em cada momento
                                                                em que nos esquecemos
                                                                não no momento
                                                                em que desistimos
                                                                porque desistir
                                                                é reagir
                                                                é a raiva mansa
                                                                de não conseguir
                                                                o viver mais intenso

                                                               acredito

                                                               que o futuro se ganha
                                                               em cada gesto
                                                               que se repercute

                                                               se o gesto for livre
                                                               se o gesto ousar
                                                               quebrar o medo

                                                              se o gesto ecoar
                                                              e se transformar
                                                              em outros gestos
                                                              e outros e outros

                                                              se sempre acender
                                                              um farol vigilante
                                                              de qualquer navio
                                                              inconsequente

                                                                G.M.